Já no dispositivo seguinte(artigo 20), o documento estabelece que "durante o Plantão do Recesso Forense não haverá distribuição ou peticionamento eletrônico, sequer para apreciação futura na primeira instância".

Pode protocolar no recesso forense?

Durante as férias forenses e nos feriados, não se praticarão atos processuais, excetuando-se: I - os atos previstos no art. 212, § 2o; ... Primeiramente cabe fazer menção que, o artigo 214 e o 212 versam em seu bojo sobre férias forense o que por certo, diverge de recesso forense como já apresentado.

Pode distribuir ação no recesso forense?

No mesmo período, não se suspendem ou interrompem os prazos processuais de natureza penal, que seguem as normas da legislação processual específica. Quanto aos processos penais, no período compreendido entre 20 de dezembro e 6 de janeiro, os prazos processuais iniciados antes do recesso judiciário fluirão normalmente.

Pode peticionar durante o recesso?

Confira. Nos TJs em que o processo eletrônico funcionará normalmente durante o recesso do Judiciário, o peticionamento poderá ser feito normalmente, entretanto, devido ao recesso e a suspensão dos prazos, só os casos urgentes serão atendidos.

Tudo sobre o Recesso Forense - o que tramita e o que fica parado neste período

O que é o recesso forense? Historicamente, o recesso forense é o período em que não há expediente nos órgãos do Poder Judiciário por causa das festividades de fim de ano. Durante estes dias, o Poder Judiciário funciona em regime de plantão, atendendo tão somente os casos urgentes.

Tudo sobre o Recesso Forense - o que tramita e o que fica parado neste período

Qual é o período de férias forenses?

De acordo com o artigo 775-A da Consolidação das Leis do Trabalho, de 20 de dezembro 2021 até o dia 20 de janeiro de 2022, serão suspensos os prazos processuais, além de não serem realizadas audiências nem sessões de julgamento nesse período.

O que é considerado urgente no recesso forense?

No Recesso Forense também não ocorrerão publicações dos despachos, decisões e julgamentos(sentenças, decisões monocráticas e acórdãos), nem intimações de partes e de advogados. Os prazos dos processos ficarão suspensos no período e não haverá expediente forense fora do regime de plantão.

Como ficam os prazos criminais no recesso forense?

STJ suspende prazos a partir de 20 de dezembro em razão do recesso forense. O Superior Tribunal de Justiça informa que os prazos processuais, exceto nos processos criminais, ficarão suspensos a partir do dia 20 de dezembro e voltarão a fluir em 1º de fevereiro de 2022, conforme dispõe a Portaria STJ 400/2021.

Como contar prazo CPP?

A contagem de prazo penal está no artigo 10 do Código Penal que reza: “O dia do começo inclui-se do cômputo do prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo calendário comum”. Esta contagem é usada para o direito material penal(prescrição, decadência, etc).

Quando os prazos processuais voltam a correr em 2022?

STJ. O Superior Tribunal de Justiça(STJ)informou que os prazos processuais – exceto nos processos criminais – ficarão suspensos a partir de 20 de dezembro e voltarão a fluir em 1º de fevereiro de 2022.

Qual o prazo para uma manifestação quando o juiz não estipula um prazo?

Quando a lei não determina prazo, o juiz pode estipulá-lo, conforme a complexidade do ato a ser praticado. Quando nem a lei nem o juiz estabelecem o prazo, tem-se a determinação residual do CPC – considera-se o prazo de 5(cinco)dias para a prática do ato a cargo da parte.

O que quer dizer férias forenses?

Férias Forenses: é o período compreendido entre 20 de dezembro e 6 de janeiro onde a justiça "paralisa" de fato, podendo tão somente ser realizados atos judiciais urgentes. ... Recesso Forense: é o período compreendido entre 7 de janeiro e 20 de janeiro onde se continuam suspensos os prazos processuais.

Quais os atos processuais praticados mesmo durante as férias forenses?

Durante as férias e nos feriados, em regra, não se praticarão atos processuais(art. 214 CPC). Alguns atos são praticados nas férias ou em feriados. Importante observar que segundo alteração feita pela Emenda 45 no art.

Para falar: 5 dias, em geral(art. 218 § 3º; em dobro: artigo 229). – sobre contestação ou defesa: 15 dias, em geral(art. 350 e 351).

Qual a consequência para a inobservância do prazo pela parte?

As consequências trazidas pelo não cumprimento dos prazos processuais são a revelia e a preclusão. A revelia se caracteriza pelo não comparecimento do réu quando intimado para uma audiência ou quando deixa de oferecer contestação depois de citado.

Quando suspende os prazos processuais?

​O Superior Tribunal de Justiça(STJ)informa que os prazos processuais – exceto nos processos criminais – ficarão suspensos a partir do dia 20 de dezembro e voltarão a fluir em 1º de fevereiro de 2022, conforme dispõe a Portaria STJ/GP 400/2021.

Qual o período de suspensão dos prazos processuais?

A suspensão dos prazos processuais cíveis disposta no caput terá início em 20 de dezembro de 2021 e se encerrará em 20 de janeiro de 2022, período no qual não se realizarão audiências nem sessões de julgamento cíveis, nos termos do art. 220 do Código de Processo Civil.

Até quando os prazos processuais estão suspensos?

Conforme deliberado no Ato GP nº 14/2021, e em consonância com o artigo 220 do novo Código de Processo Civil, combinado com o artigo 116 da Lei Orgânica do Tribunal, os prazos processuais ficarão suspensos a partir de 20 de dezembro, sendo retomados em 24 de janeiro de 2022.

Quando volta o recesso do Fórum 2022?

Entre os dias 28 de fevereiro e 01 de março de 2022(segunda e terça-feira de Carnaval), não haverá expediente nas Seções e Subseções Judiciárias do Tribunal Regional Federal da 3ª Região. As atividades serão retomadas no dia 02 de março, quarta-feira de cinzas, às 14 horas.

Quando TST volta do recesso 2022?

Funcionamento. Durante o recesso forense(de 20/12 a 6/1), a Secretaria do Tribunal funcionará em regime de plantão, das 13h às 18h, exceto nos dias 24 e 31/12, em que o horário será das 8h às 12h, se houver necessidade de funcionamento.

Como se conta o prazo?

Salvo disposição em contrário, os prazos serão contados excluindo o dia do começo e incluindo o dia do vencimento. Considera-se, portanto, como data de publicação o primeiro dia útil seguinte ao da disponibilização da informação no Diário da Justiça eletrônico.